agonia
portugues

v3
 

Agonia.Net | Regras | Mission Contato | Participar
poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
armana Poezii, Poezie deutsch Poezii, Poezie english Poezii, Poezie espanol Poezii, Poezie francais Poezii, Poezie italiano Poezii, Poezie japanese Poezii, Poezie portugues Poezii, Poezie romana Poezii, Poezie russkaia Poezii, Poezie

Artigo Comunidades Concurso Crônica Multimídia Pessoais Poesia Imprensa Prosa _QUOTE Roteiro Especial

Poezii Romnesti - Romanian Poetry

poezii


 

Textos do mesmo autor


Traduções deste texto
0

 Comentários dos membros


print e-mail
Visitas: 1900 .



Desfaça-se
poesia [ ]

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por [Duquinho ]

2009-12-28  |     | 



Desfaça-se! (*)

Antonio Carlos Duques

Desfaça-se das singulares portas fechadas, primeiras pessoas,
Do amor conforme de vacas tranqüilas a pastar inclemências,
Dos sítios de pedras brancas, inferno frio, selva de medos.
Desfaça-se do sono da paz negra, bens, bens, bens,
Os bens! Quantos bens! Mais bens!
Desfaça-se!.

Desfaça-se do título obscuro, universo morto, insepulto,
Paredes do si-mesmo, moldura carnal rígida,
Desfaça-se dos braços fechados, punhos de metal,
Caminhos de círculos eternos, visão de linhas retas,
Punhos de metal! Quantos punhos de metal! Mais punhos de metal!
Desfaça-se!

Desfaça-se dos mesmos, dos sempre, dos nunca,
Das alegrias dolorosas, das lágrimas prazerosas,
Desfaça-se do único matiz, da única nota,
Das dolorosas obrigações matrimoniais, patrimoniais.
Da única nota! Que única nota! Uma nota só!
Desfaça-se!

Desfaça-se das verdades mesquinhas, da esquina vazia,
Das pátrias sem amor de meninos, de meninos sem amor das pátrias.
Das trilhas e mapas corriqueiros, e que assim não seja,
Desfaça-se das fórmulas cansadas, cansadas e milenares,
Das fórmulas cansadas! Quantas fórmulas cansadas! Cansaço!
Desfaça-se!.

Desfaça-se da autoridade mesquinha confinadora,
Crenças indeléveis, pútridas, futuro é o passado sem revisão!
Da palmatória psicológica a produzir lágrimas e sangue,
Aos meninos de rua, aos meninos sem ruas, todos são livres!
Desfaça-se das burkas mentais, ansiedades sem limites,
Desfaça-se!

Que haja um só nunca. Que nunca mais seja.
Conforme foi teu louco apego, tudo é linguagem!
Matar as linguagens, está em tuas mãos, sempre esteve aqui.
Nascerão as rosas do verão, primavera quieta, e não antes,
Desfaça-se! Desfaça-se! Desfaça-se!

(*) A Bjork, Hakim Bey, David Laing, Thomas Hanna, Michel Foucaut, Salvador Dali, Aleister Crowley, Prigogine, Edgar Morin.
P.S - Pode ser acessado também no blog de Luciano Siqueira, do Recife, no link: http://lucianosiqueira.blogspot.com/2010/01/bom-dia-antonio-carlos-duques.html




.  |










 
poezii poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
poezii Portal de Literatura, Poesia e Cultura. Escreva e desfrute os artigos, crônicas, prosa, poesia clássica e concursos. poezii
poezii
poezii  Busca  Agonia.Net  

A reprodução de qualquer material sem a nossa permissão é estritamente proibida.
Copyright 1999-2003. Agonia.Net

E-mail | Regras para publicação e de privacidade

Top Site-uri Cultura - Join the Cultural Topsites!