agonia
portugues

v3
 

Agonia.Net | Regras | Mission Contato | Participar
poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
armana Poezii, Poezie deutsch Poezii, Poezie english Poezii, Poezie espanol Poezii, Poezie francais Poezii, Poezie italiano Poezii, Poezie japanese Poezii, Poezie portugues Poezii, Poezie romana Poezii, Poezie russkaia Poezii, Poezie

Artigo Comunidades Concurso Crônica Multimídia Pessoais Poesia Imprensa Prosa _QUOTE Roteiro Especial

Poezii Romnesti - Romanian Poetry

poezii


 

Textos do mesmo autor


Traduções deste texto
0

 Comentários dos membros


print e-mail
Visitas: 2553 .



O Conto dos Cânticos
poesia [ ]

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por [Duquinho ]

2009-12-30  |     | 



O CONTO DOS CÂNTICOS I
Antonio Carlos Duques – Madrugada de 22 de maio de 2007

Procuro a Menina a quem amo,
Pois que vem o tempo da canção.
Onde estás minha menina, seios de gema,
Comi todos os bolos de uva-passa,
Reforcei-me com todas as maçãs.
O inverno se foi e continuo doente de amor,
Quero-te as aberturas! Não é tempo de flores?

Mas eis que não prenderam as raposas,
Pequenas e grandes raposas invadem todas as vinhas,
Seus olhos e ouvidos em todos os espaços,
Vigiam meus passos, mapeiam meus caminhos,
Terão roubado o leite e o mel,
Por baixo da tua língua? Pois tudo sabe a enxofre.
Blindaram as aberturas! Todas elas! Tempos de espada!

Procuro-te nas praças, bares, estações,
Mensageiros digitais, celulares, moleques de recados,
Anúncios de jornais, exauro-me no megafone,
Camaradas estão atentos a fazer-me ouvir tua voz.
Pois são tão belos teus pés, não deixam marcas,
Um só dos teus olhos me enlouquece, quero-te as vinhas,
Dos lábios, do sexo! Não é tempo de primavera hoteleira?

Eis que as raposas presidem os Rios, as Grandes Águas,
Montanhas, matas, vinhas, em mãos de comparsas.
Nossos umbigos são taças de seus venenos,
A Morte aprisiona o Amor, olhem as águas!
Camaradas estão atentos a calar até aos ventos,
Sou a seus olhos como quem prepara a guerra,
Eu doente de amor pela menina.
As raposas, pelo sangue da terra.

O CONTO DOS CÂNTICOS II
Antonio Carlos Duques. Madrugada de 08.06.07

Encontrei a Menina a quem amo,
Cruzei todos os montes, as vinhas, as cartas de marear,
Morreram as incertezas do passado,
Sua face é lingote de ouro fino,
Seus cabelos, cachos de palmeiras,
Suas palavras, doçuras desejáveis,
Ventos dos oceanos cantaram nossos abraços.

Conciliábulos de raposas arderam em desânimos,
Foi-se o inverno e a chuva, abriram-se todos os ferrolhos,
Todos os venenos se desfazem em seus gestos,
Suas coxas, canteiros de bálsamos, escudam a terra,
Águas de lágrimas e do sexo a lavar os Rios e Grandes Águas,
Mirra e incenso de seus beijos libertam o sangue dos mundos,
Encantos de lírios a perfumar todas as espadas!

Camaradas trouxeram-me a sua voz e presença,
Como são lindas as carícias dos seus passos ao vir,
Sombras fugazes fogem dos seus risos, é meio-dia,
São como cepas de flor a derramar perfumes,
Nossos jardins e vinhas têm alentos de paixão,
O Amor venceu a Morte, agora tudo é Luz,
Como és bela minha Menina, como és bela!

Já não preparo a guerra, seus seios são vitórias,
Bebo meu vinho com leite saudando auroras,
Pactos e juras sem fim, feitiços de Menina,
Quebram-se algemas de rosada adolescência,
Nossos corações são tendas e abrigos,
Desejos são sóis e luas a povoar sonhos, te guardo!
Todos os leitos nos esperam, vem, me guarda!






.  |










 
poezii poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
poezii Portal de Literatura, Poesia e Cultura. Escreva e desfrute os artigos, crônicas, prosa, poesia clássica e concursos. poezii
poezii
poezii  Busca  Agonia.Net  

A reprodução de qualquer material sem a nossa permissão é estritamente proibida.
Copyright 1999-2003. Agonia.Net

E-mail | Regras para publicação e de privacidade

Top Site-uri Cultura - Join the Cultural Topsites!