agonia
portugues

v3
 

Agonia.Net | Regras | Anúncios Contato | Participar
poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
armana Poezii, Poezie deutsch Poezii, Poezie english Poezii, Poezie espanol Poezii, Poezie francais Poezii, Poezie italiano Poezii, Poezie japanese Poezii, Poezie portugues Poezii, Poezie romana Poezii, Poezie russkaia Poezii, Poezie

Poesia Pessoais Prosa Roteiro Crônica Imprensa Artigo Comunidades Concurso Especial Técnicas literárias

Poezii Românesti - Romanian Poetry

poezii


 

Textos do mesmo autor




Traduções deste texto
0

 Comentários dos membros


print e-mail
Visitas: 2297 .



AS ESTRELAS NÃO DORMEM
artigo [ Arte ]

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por [Bernadete_Piassa ]

2010-02-24  |     | 



Estreia neste domingo, no Rio de Janeiro, no Teatro Municipal Café Pequeno, às 17 horas, a peça"As estrelas não dormem". Uma inusitada experiência Teatro-Musical-Literaria de Maria bel Baptista, a peça tem supervisão geral de Sofia Karam e participação das atrizes Nara Passos, Camila Pinheiro e Maria bel Baptista.

"As estrelas não dormem" é o título do primeiro livro de uma trilogia de Maria Baptista. Uma obra meio autobiográfica, catártica, que mistura prosa e poesia, o livro tem uma linguagem poética muito forte (mesmo na prosa) e um clima de realismo mágico.

O espetáculo narra a história de Maria, protagonista que vive a infância em uma fazenda no Pantanal mato-grossense. A trama acompanha sua conturbada trajetória, desde a fuga à cidade grande até a volta após uma desilusão amorosa.

Trecho do livro “As estrelas não dormem”:

“Quando criança, me lembro, a mamãe dizia:
Não brinque daquilo, não pode isso, isso deve, e aquilo não deve.
Então eu pergunto:
E com os anjinhos mamãe, posso brincar?
E ela diz:
Com os Anjinhos, minha filha, pode.
E eu brinco com Anjos.
Sozinha, pelo mato, eles correm atrás de mim, e eu me escondo entre as árvores, ou debaixo da água. Mas sempre eles me acham. Aí não tem jeito, me derrubam na grama, e
fazemos muita sacanagem. É ótimo!
Depois, eu abro os olhos, devagarzinho, e olho o céu: Verde! olho a terra: Azul! Tudo ao contrário, uma brincadeira. No ar salpicam pontinhos brancos como se fossem cobrinhas, e eu fico ali, mole, derretida, me misturando com a terra, rindo... rindo... desse meu estado de bobeira. E eu me despeço, meio grogue:
Lá vão eles, esses doces Anjinhos de chifres!”

.  |










 
poezii poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
poezii Portal de Literatura, Poesia e Cultura. Escreva e desfrute os artigos, crônicas, prosa, poesia clássica e concursos. poezii
poezii
poezii  Busca  Agonia.Net  

A reprodução de qualquer material sem a nossa permissão é estritamente proibida.
Copyright 1999-2003. Agonia.Net

E-mail | Regras para publicação e de privacidade

Top Site-uri Cultura - Join the Cultural Topsites!