agonia
portugues

v3
 

Agonia.Net | Regras | Anúncios Contato | Participar
poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
armana Poezii, Poezie deutsch Poezii, Poezie english Poezii, Poezie espanol Poezii, Poezie francais Poezii, Poezie italiano Poezii, Poezie japanese Poezii, Poezie portugues Poezii, Poezie romana Poezii, Poezie russkaia Poezii, Poezie

Poesia Pessoais Prosa Roteiro Crônica Imprensa Artigo Comunidades Concurso Especial Técnicas literárias

Poezii Românesti - Romanian Poetry

poezii


 

Textos do mesmo autor




Traduções deste texto
0

 Comentários dos membros


print e-mail
Visitas: 1458 .



As donas do Pantanal
crônica [ ]

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por [marthabaptista ]

2009-08-25  |     | 



Quando cheguei ao Pantanal era apenas a “dona” do André. O esperto Claudinei, um garotinho de pouco mais de 6 anos, caçula de uma penca de filhos de Negrinho e dona Creuza, foi o único a verbalizar a decepção do pessoal. “A dona do André não sabe cozinhar!”
Eu devia parecer uma aberração no Pantanal mato-grossense: uma mulher que não sabe cozinhar não vale a comida que come. Como é que o patrão foi arrumar uma dona que não sabe cozinhar? Não foi por falta de aviso: antes de decidir aceitar o pedido de casamento e tomar a decisão que mudaria minha vida para sempre, eu alertei com todas as letras que só sabia fazer ovo (frito, omelete, mexido, etc), café (mal-e-mal) e mingau de Maizena. Ele me quis mesmo assim ...
Com o tempo e os dias de ócio (e muito calor) no Pantanal, fui aprendendo a fazer outras coisas e enchendo, aos poucos, meu caderninho de receita: aprendi a fazer leite condensado com o farto leite da fazenda, doce-de-leite, bolos, vários tipos de biscoito e queijos.
Como eu gostava de ficar à beira do fogão de lenha mexendo o doce com a grande colher-de-pau, esperando que a mistura de leite e açúcar fervesse até chegar no ponto, enquanto inventava histórias, como a da raspinha do tacho e a da pererequinha, que eu escreveria e contaria um dia aos meus filhos!
Ao meu lado, nos primeiros tempos, permanecia o gato Iuri, fiel companheiro, e a não tão fiel Cathy – o casal de gatos que levei da cidade para espantar os ratos que interrompiam nosso sonho à noite e roiam nossas roupas. Mais tarde, vieram os cachorros – alguns passageiros e outros mais permanentes, como Manchinha, mistura de pincher com fox paulistinha que merece uma crônica à parte.
O melhor de tudo era saborear a expressão de prazer no rosto do meu amor à época, que chegava do campo cansado e parecia se deliciar com meus bolos, doces e biscoitos. Quando ainda não tínhamos as duas filhas, sempre havia tempo para fazer amor e reafirmar os laços que, até então, parecia que nos ligariam para sempre.
Nunca aprendi a fazer comidas de mais sustância, como arroz com carne (o arroz de carreteiro como o pessoal chama por lá), paçoca (farinha de mandioca socada no pilão com carne seca) ou feijão. Por sorte, sempre tive alguém para fazer o serviço pesado: cortar a lenha, atiçar o fogo, cortar a carne, cozinhar e depois ainda lavar as panelas negras de carvão.
Vida dura a das mulheres do Pantanal, donas só no nome. Para elas, nunca havia domingos, nem feriados. A rotina era uma só: acordar de madrugada, fazer café pro seus homens, alguma coisa pra comer, alimentar a filharada, cuidar da “casa” (a “sua” e, eventualmente, a do patrão) em troca de pouca ou nenhuma paga. Os homens ainda iam pro campo, viam bichos, se distraiam na lida com o gado, nas caçadas aos porcos selvagens, que precisavam ser capados para que engordassem e se transformassem em banha e carne. As mulheres permaneciam à beira do corixo, sob o sol escaldante, lavando a roupa e – com sorte – ouvindo pelo rádio músicas e notícias dos parentes na cidade.
Ah Claudinei, naquele dia, eu me senti constrangida de confirmar que a “dona” do André não sabia cozinhar. Não sei se foi por isso que o meu casamento acabou. Pode até ser, mas uma coisa eu garanto fui imensamente feliz no tempo em que convivi com você e as verdadeiras donas do Pantanal.

.  |










 
poezii poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
poezii Portal de Literatura, Poesia e Cultura. Escreva e desfrute os artigos, crônicas, prosa, poesia clássica e concursos. poezii
poezii
poezii  Busca  Agonia.Net  

A reprodução de qualquer material sem a nossa permissão é estritamente proibida.
Copyright 1999-2003. Agonia.Net

E-mail | Regras para publicação e de privacidade

Top Site-uri Cultura - Join the Cultural Topsites!