agonia
portugues

v3
 

Agonia.Net | Regras | Anúncios Contato | Participar
poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
armana Poezii, Poezie deutsch Poezii, Poezie english Poezii, Poezie espanol Poezii, Poezie francais Poezii, Poezie italiano Poezii, Poezie japanese Poezii, Poezie portugues Poezii, Poezie romana Poezii, Poezie russkaia Poezii, Poezie

Poesia Pessoais Prosa Roteiro Crônica Imprensa Artigo Comunidades Concurso Especial Técnicas literárias

Poezii Românesti - Romanian Poetry

poezii


 

Textos do mesmo autor




Traduções deste texto
0

 Comentários dos membros


print e-mail
Visitas: 1706 .



Entabulação marítima
poesia [ Urbano ]
Elegia de uma obra histórica

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por [MarceloPortuaria ]

2009-10-04  |     | 



http://deutsch.agonia.netEntabulação marítima


É tarde,
me sento sobre as raízes de uma amendoeira no litoral de mim mesmo,
vejo a enseada apontando o movimento do tempo inchado pelas vontades.
Quem às teve?
Puderam às ter?
O suborno que a vida em sociedade obriga-nos a sustentar,
as manchas do sangue de nossos ancestrais lançando à baila imagens,
encharcadas nos fins políticos de todas as nossas observações intencionadas,
e ainda sim,
calamos.
Sobre a areia branca de um singular sentimento me indago:
Qual a dívida federativa dessa nação com países africanos?
As ondas me trazem uma concha rosada,
e logo um rádio ao longe atenta uma batucada,
comem ao meu lado fartamente e fumam o alívio das gerações.
De certo,
milhas á dentro em mar extra-territorial o espírito de liberdade,
pensa sobranceiro na imaginação globalizada que veículos empregam,
em qualquer fronteira para o gozo de alguns privilegiados.
Tenho tempo,
a água potável me alivia o calor,
meus pés hidratados que se familiarizam com as areias da praia,
procuram o conforto e deveras um tesouro esquecido nessa terra que riquezas pousou,
e aí?
O que se há de engenharia humana e social?
Alguns fatores me reportam,
mexo nos cabelos esperando uma resposta pronta,
ali agora que uma mulher com um menino de colo me pedem um trocado.
Essa esmola é divida minha,
eu que li a geopolítica e a sociologia,
apliquei o direito mecanicamente e afoito,
e onde vai a expectativa de minha boa vontade?
Permaneço ali,
uma embarcação com bandeira da África do Sul se aproxima buscando o porto de Paraty,
enormes contâiners trazem na linhagem de seus operadores navais a superação e a vitória,
os quero-queros gorjeiam asperamente em direção às palmeira enquanto matilhas de cães,
uniformizadas por fantasmas de corsários vagueiam pelas pedras cansadas do tempo rua a rua,
chegam os heróis descendentes do levante de Soweto,
mas nem tão livres,
pois o mercado,
aprisiona-os.
Em terra,
procuram matar a sede,
extorquem o sexo com adulações e recostam as negras testas no mármore do chafariz antigo,
beijam os copos com violência e acendem o cigarro com euforia.
Eis ali um único mundo,
apenas um povo golpeado pelos mesmo costumes,
portando os parentes objetos de uma só realidade que se vê em outro país,
é a escolha,
o destino,
a vida.
Pareço com um personagem solitário que tem a missão de ser vigilante,
desconhecendo a mim mesmo e a herança que comigo carrego,
o caís leva a todos à igreja que lá permanece a bons anos,
e eu observo a todos conhecendo ânsias e desejos,
experimentando bebidas e dores.
De repente quero ter aquela negra pele,
talvez também ir lá beber aquela água sem saber,
desembarcar meus sonhos nos caminhões basculantes,
e pedir que me expliquem quando Luis Pedreira eregiu tal monumento,
ou o que Mandela fazia durante tanto tempo na Ilha Roben na delação da injustiça,
como queria.
Mas as tardes passam,
e as vagas apenas deixam saudade e sal,
descubro que o sul africano nos vende seu trabalho digno,
e nos consumimos sua história de martírio e resistência no passado e no hoje.
Quando a escuridão da noite me perde o horizonte,
deixo essa raiz para que outro mulato brasileiro como eu,
atente as correntes marítimas em qualquer sentimento de alívio,
ou de amargura.

/

.  |










 
poezii poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
poezii Portal de Literatura, Poesia e Cultura. Escreva e desfrute os artigos, crônicas, prosa, poesia clássica e concursos. poezii
poezii
poezii  Busca  Agonia.Net  

A reprodução de qualquer material sem a nossa permissão é estritamente proibida.
Copyright 1999-2003. Agonia.Net

E-mail | Regras para publicação e de privacidade

Top Site-uri Cultura - Join the Cultural Topsites!