agonia
portugues

v3
 

Agonia.Net | Regras | Anúncios Contato | Participar
poezii poezii poezii poezii poezii
poezii
armana Poezii, Poezie deutsch Poezii, Poezie english Poezii, Poezie espanol Poezii, Poezie francais Poezii, Poezie italiano Poezii, Poezie japanese Poezii, Poezie portugues Poezii, Poezie romana Poezii, Poezie russkaia Poezii, Poezie

Poesia Pessoais Prosa Roteiro Crônica Imprensa Artigo Comunidades Concurso Especial Técnicas literárias

Poezii Românesti - Romanian Poetry

poezii


 
Textos do mesmo autor






Traduções deste texto
0

 Comentários dos membros


print e-mail
Visitas: 1193 .



O SEGREDO
prosa [ ]

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por [Oscar Calixto ]

2010-01-02  |     | 



CAPÍTULO I

- Me conta vai...

- O que?

- Teu segredo.

- Não conto.

E não contaria mesmo! Ricardo e Cláudia eram namorados, mas pairava sobre o casal a descoberta de Cláudia de que Ricardo tinha um segredo. Namoravam há mais de oito anos já e ter um segredo a esta altura do campeonato era algo inaceitável por Cláudia. Mas ela relevava... O namorado era rico e, diante das condições em que se encontrava no momento, isso já nem era o mais importante, mesmo assim insistia:

- Ah, que nada! Conta?

- Por que quer saber?

- Por que eu quero!

- Mas é segredo. Não posso contar. Segredo é segredo.

- Poxa, você não confia em mim, né? Impressionante...

- E por que deveria?

- Por que sou sua namorada! Não basta?

- Não, não basta! Não confio em mulher. É bicho danado!

- Então está bem... Mas olha: Também tenho um segredo. E vou te contar...

- O que?

- Estou grávida!

- Grávida?

- Estou.

Esta seria, para Ricardo, a pior notícia do ano. Grávida! Com tantas medidas de precaução tomadas, com tabela, anticoncepcional, preservativo até, na falta de um ou erro de cálculo do outro... O que haveria acontecido de errado?

- Mas como você pôde ficar grávida?

- Hã... Vai dizer que não sabe?

- Mas e as medidas tomadas?

- Ah, querido... Falharam!

- E agora?

- Agora a gente casa!

- Mas assim... Do nada?

- Casa. Olhe, meu filho: Não tem outro jeito. Papai é um santo! Mas mexeu comigo... Ele vira o diabo! Te mata!

Ricardo estava desesperado. E, apesar do silêncio, um furacão girava em sua cabeça procurando alguma solução ao menos um pouco sensata, para ele, é claro!

- E se a gente tirasse sem que ele soubesse?

- O que? O filho?

- É... Seria melhor pra nós dois...

Ricardo definitivamente não queria aquele filho. E achava um absurdo o fato de Claudia ter engravidado. Suspeitava que tivesse feito de propósito, ou ainda, que ela estivesse inventando. O que não parecia, pois sabia quando estava inventando apenas a fitando nos olhos... E isso lhe deixava cada vez mais desesperado, enquanto Cláudia relutava:

- Por que seria melhor tirar?

- Você ainda estuda... Nem ao menos é formada! Tem que seguir os passos do seu irmão... Veja como ele é responsável... Competente... Já é até formado!

- Ah, meu filho... Agora não tem jeito. Se depender de mim, a gente casa! E ser como Marcelinho eu não quero. Nunca quis.

- Pois então fique sabendo que se depender de mim a gente não casa!

- Por que? Você não me ama?

- Amo, mas não é pra casar...

- Então não ama!

- Deixa eu te explicar: Eu não posso ter um filho, não posso!

- Por que não pode? Você é rico...

- É, mas eu não posso ter um filho, definitivamente! Você vai ter que tirar!

Mas Cláudia era ambiciosa... Esse filho era agora um trunfo e irredutivelmente ela afirmava:

- Eu não vou tirar, querido! Esqueça essa idéia... Essa criança vai nascer filho de homem rico!

- Então foi por isso...

- O que?

- Que aceitou ficar comigo...

- Pelo dinheiro? Jamais, isso veio em segundo lugar.

- Você é descarada, não é?

- Por que?

- Está me dizendo isso na cara...

Ao mesmo tempo em que Cláudia ficava ressentida com a recusa do namorado, ela se divertia por vê-lo, enfim, encurralado:

- Ai, você é demais... Também tenho que pensar no dinheiro, meu filho! Só por isso eu sou descarada? E você? Cheio de segredos com sua namorada... Não vai mesmo me contar?

- Não vou... Quer dizer, agora não sei...

- Hum... Já melhorou.

- Eu conto, mas só se você me prometer que vai tirar!

- Aí não... É meu filho!

- É meu também! E não o quero o mundo!

- Por que?

- Pra quê colocar uma criança no mundo? É tudo tão seco, tão duro, tão raso!

- Raso? Que nada! A vida é profunda, querido... É feliz, encantada... Ainda pra mais pra você que tem dinheiro!

E apesar da relutância, de todo jeito Ricardo tentava desanimá-la:

- É, mas um filho é danado! E dinheiro não nasce em pedra! Hoje sou rico, amanhã já não sei... Minha família passa por dificuldades. E pensa bem... Somos tão jovens!

- O que tem demais?

- Tem muita coisa... Já pensou na sua barriga? Nos seus peitos?

- O que tem?

- Vai ficar cheia de estrias... Na barriga e nos peitos! E ambos ficarão moles e caídos!

- O que tem, meu filho? Faço plástica!

- E na sua liberdade, já pensou? Não vai poder ir às festas... Nem aos bailes! Isso dinheiro não paga!

- Paga...

- Não, não paga não, viu?

- Paga! Serei chique! Contrato uma babá!

Ricardo estava certo de que Cláudia realmente estava grávida. Não seguraria por tanto tempo uma mentira. Quando contava uma, logo logo desmentia. Agora a coisa se tornara muito mais complicada, porque Cláudia queria, por fim da força, ter o filho que Ricardo não queria. Indignado com a atitude de Cláudia, Ricardo prosseguia:

- Então vai criar um filho com uma babá?

- Vou sim... Por que não?

- Você é mesmo uma irresponsável!

- Por que? Pelo filho?

- É sim... É... Pelo filho!

- Ah, querido... Somos ambos culpados! Não vai me contar seu segredo?

- Que segredo? Depois de uma bomba destas... Não conto mais nada!

- Coitado!

- Sou mesmo! Um coitado!

- Quem mandou se meter a besta? Eu sou de família!

- Que família? Você mora na Lapa!

- E o que tem isso? Na Lapa não tem família?

- Nobre e rica?

- Nobre tem... Só não tem milionária!

- Então você quer mesmo ter o filho...

- Mais que tudo! Só tiraria se fosse de pobre!

Convicto de que não haveria saída para esse papo, Ricardo se rendeu:

- Está bem, então nós vamos ter o filho.

- Jura?

- Juro!

- E vamos casar?

- Vamos!

- Mas tem que ser na igreja! De véu e grinalda!

- Está bem... Mas só se me prometer uma coisa...

- O que?

- Vamos manter isto em segredo.

- Mas por que?

- Não gosto de alarde.

- Ah, sei... Por que? Por causa dos Papparazzi?

- É.

- Mas eu adoraria sair na revista, poxa! Ao lado da sua família... Não posso contar?

- Não, pelo menos por agora...

- Ai, está bem!

- Então vamos manter isso entre nós?

- Vamos.

- Então jura que nem sem pai!

- Nem meu pai!

- Nem seu irmão!

- Meu irmão?

- É.

- Mas meu irmão não tem problema. Você sabe... Marcelinho...

- Eu sei, mas mesmo assim. Nem ele!

- Está bem... Nem ele!

- Está bem então. Eu vou para casa. Preciso relaxar... Mais tarde te ligo!

- Mas está tão cedo...

- Não... Está tarde. Te ligo mais tarde.

- E o segredo? Vai me contar ou não?

- Ainda está cedo. Mas eu te conto, uma hora eu te conto...

- Está bem então, meu anjo. Vai com Deus então... Digere bem a notícia, tá? Papaizão!


CAPÍTULO II

Na semana seguinte a que se passara da notícia-bomba de Cláudia, Ricardo a telefonara. Tinha sumido depois da notícia. Passaram horas no telefone conversando até marcarem então um encontro. Cláudia, enfim o esperava no ponto de ônibus, de frente ao convento Santo Antônio, na carioca, quando ele chegou e enfurecida, ela exalou:

- Eu só quero te dizer uma coisa: Isso não é coisa que se faça! Estou aqui há mais de duas horas esperando e você nada... Sem contar o telefonema, que só me deu depois de uma semana!

- Já lhe pedi desculpas... E o atraso foi o trânsito.

- Trânsito... Até parece que pegou um ônibus!?

- E peguei

- Você? Há... Duvido, meu filho!

- Peguei sim. Se você duvida, não posso fazer nada!

- E o segredo? Decidiu me contar?

- Decidi. Eu vou lhe contar.

- Então conta!

- Não agora.

- Meu Deus, mais que saco!

- O que?

- Essa coisa de não me contar!

- Você é muito curiosa.

- Você vai ser meu marido, esqueceu? Não podemos ter segredos!

- Calma! Eu vou lhe contar!

- Quando, meu filho? Quando?

- Quando você parar de me cobrar!

- Ai, tá bom... Tá... Já decidiu?

- O que?

- A data em que vamos nos casar?

- Ainda não.

- Nossa... Você é devagar! Até nisso é devagar!

Após o acontecido, no ponto de ônibus, os dois saíram e foram jantar. Dois dias depois Ricardo ligou para a casa dela: Falou um pouco com o irmão e com o pai. Ambos não sabiam de nada. Marcaram então de se encontrarem novamente e, desta vez, em outro lugar...

CAPÍTULO III


Em algum lugar do Leblon estava Cláudia, prontíssima, e esperando por Ricardo que se atrasara alguns minutos... Mal o namorado chegou ao lugar, impacientemente, ela já fôra o interpelindo:

- Já marcou a data?

- Já.

- E o segredo?

- Eu vou lhe contar.

- Então conta!

- Aqui não é o lugar.

- Não falo mais com você! Tchau.

Claudia deu as costas e foi saindo sem dizer palavra! Ricardo correu atrás e alcançando-a conversou:

- Espera... Como assim? Tudo isso por causa de um segredo?

- É sim. Estou pra morrer com essa história! Sim, por que casar nós vamos casar! Agora o segredo... Estou passando mal até com isso!

- Mas, minha filha... Este é o único segredo que tenho. Não lhe escondo nada! Minha vida é um livro aberto!

- Ah, é sim... Eu só não consigo ver as páginas!

- Meu anjo, eu vim aqui lhe contar a data que marquei. E é assim que você me recebe?

- Mas é claro! Eu vou me casar e meu futuro marido tem um segredo que não quer me revelar... Como você queria que eu estivesse com isso?

- Eu vou lhe contar... Também já decidi o dia.

- E quando é então?

- Amanhã!

- Ai, que inferno! Conta logo! É tão grave assim? O quê que é? Tem câncer?

- Não.

- Aids?

- Não.

- Outra mulher!

- Não.

- Ai, desisto. Já cansei de pensar... Tudo que lhe pergunto é não!

- Escute: Amanhã eu vou lhe contar. Prometo.

Cláudia não acreditou nesse momento e olhando-se nos olhos e de braços cruzados perguntou:

- Jura?

- Juro.

- Se você não me contar...

- Eu conto.

- Então está certo. Amanhã então... Onde?

- Lá em casa... Mandei preparar um jantar pra nós dois...

Ricardo conseguira então, com isso, derreter o coração de Cláudia. Encantada ela emana:

- Ai jura? Que lindo isso! Mas por que?

- Estou arrependido de ter te pedido para tirar o filho. Agora nós vamos nos casar! Marquei a data para vinte e sete deste mês ainda. Está bom pra você?

A notícia era incrível para Cláudia. E acreditava piamente na mudança do namorado. Todo homem se compadece com essa história de filho. No começo podem até fazer pirraça, mas normalmente se rendem às responsabilidades e aos caprichos. Cláudia repetia a data quase sonhando:

- Vinte e sete? Daqui a duas semanas?

- É.

- Ai, está ótimo. Ai, meu Deus... Mas e o meu vestido? E a festa? As coisas todas?

- Não se preocupe com nada. Estou providenciando tudo. Hoje mesmo você pode ir provar um vestido que encomendei pra você. Está aqui o endereço da loja. Tem também um lugar para você passar o dia da noiva. Eles vão cuidar de você... Está aqui. E a festa, eu ainda estou decidindo o lugar.

- E a igreja?

- Na Catedral de São Sebastião, gosta? Se não gostar ainda posso mudar!

- Não acredito! Que amor... Meu sonho era casar lá.

- Olhe: Este cheque é para o seu enxoval. Precisa estar preparada para se casar.

- Ai paixão, você está pensando em tudo! Já posso contar? Pelo menos para o meu pai e meu irmão?

- Depois de amanhã, quando eu lhe contar o segredo.

- Vai mesmo me contar?

- Vou. Nós vamos casar!

- Então tá. Ai, agora estou ansiosa. Quero ir logo na loja!

- Então vá...

- Eu vou, mas amanhã à noite estarei na sua porta.

- Não precisa ir, eu venho lhe buscar.

- De carro?

- De carro!

- Ai, então tá... Deixa eu ir senão morro de curiosidades sobre o vestido!

- Vá então. Vá...

- Te ligo mais tarde!

- Tá...

No dia seguinte, Ricardo apareceria na casa de Cláudia, conforme o combinado e a pegaria para jantar.

Capítulo IV

No salão de festas da casa de Ricardo, pouco depois do jantar à luz de velas, estavam somente Cláudia e Ricardo a dançar. Não existiam convidados. A festa era somente para os dois. Eles, muito bem arrumados, dançavam havia pouco menos que minutos... Cláudia estava muito feliz. Encantada com tudo. E enquanto dançava com ele imagina até se esse segredo poderia ser a maior surpresa da festa. E seria... Quem sabe até o próprio casamento... "Os convidados poderiam estar escondidos por ali", pensava ela. “Que tola! Cobrar tanto um segredo que podia ser tão lindo...” E meio a tudo isso, em plena dança, ela, quase que sussurrando, exala:

- Muito obrigada. Está tudo muito lindo e romântico!

- Você merece!

- Imagina... Te perturbei demais pra saber teu segredo, não é?

Olhavam-se nos olhos quase que flutuando sob a música. Ela; com uma respiração ofegante como a de quem realmente se apaixona e não só pelo dinheiro do outro. Ele; fitando-a nos olhos. Dançando levemente, Ricardo profere:

- Perturbou. Mas não tem problema. É melhor assim... Não teremos segredos entre nós.

Logo uma "mão-boba" apareceu em algum lugar de Cláudia. Meio que desconsertada, olhou para confirmar se estavam sozinhos:

- Estamos mesmo sozinhos?

- Mas é claro. Não faria isto com você se estivéssemos acompanhados.

- Ai, que bom... Porque você sabe... Às vezes sou tímida.

- Eu sei...

Beijaram-se e foram direto para o chão. Ali mesmo, Ricardo começou a esquentá-la como nunca. E ela, com mais respiração do que fala, implorava:

- Me conta... Vai...

- O quê?

- Teu segredo...

- Quer mesmo saber?

- Quero. Conta... Conta...

Foi então que Ricardo, ao pé do ouvido dela, revelou o segredo:

- O meu segredo... É que eu sou gay. E teu irmão é o meu namorado!

Cláudia olhou para ele abismada.

(Fim)

www.oscarcalixto.com.br
www.oscarcalixto.blogspot.com

.  | índice











 
shim Portal de Literatura, Poesia e Cultura. Escreva e desfrute os artigos, crônicas, prosa, poesia clássica e concursos. shim
shim
poezii  Busca  Agonia.Net  

A reprodução de qualquer material sem a nossa permissão é estritamente proibida.
Copyright 1999-2003. Agonia.Net

E-mail | Regras para publicação e de privacidade

Top Site-uri Cultura - Join the Cultural Topsites!